quarta-feira, 26 de maio de 2010

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há-de dizer.
Fala: Parece que mente
Cala: Parece que esquece...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...

Fernando Pessoa, in poesia (1918-1930)

Este poema de Fernando Pessoa é fantástico, descobri-o hoje numa das muitas provas que ainda tenho que fazer para me ir preparando para a prova nacional.
Ao ler o poema, em cada verso, em cada estrofe, senti que algo de mim estava "dentro" destas palavras, senti que é isto que sinto e é isto que por vezes imagino que "alguém" também sente.
Será possível existir poema tão certo e que tão bem descreve o meu "hoje".
Já disse e não me canso de repetir, não acredito nas coincidências e por isso acredito que este poema me veio ter as mãos por algum motivo, talvez para confirmar as minhas enormes dúvidas...

Karina Silva

quinta-feira, 13 de maio de 2010

13 DE MAIO

Hoje, 13 de Maio, comemora-se o dia de Nossa Senhora de Fátima, é dia de muitos que acreditam e que olham para tudo com olhos de fé rezar, agradecer e fazer os seus pedidos.

Hoje, 13 de Maio, comemoro para além do dia de Nossa Senhora de Fátima também o dia em que passou 9 anos que faleceu uma das pessoas mais importantes da minha vida, até ao dia de hoje.

O meu avô faleceu no dia da nossa Senhora de Fátima, foi um dia de puro sofrimento, tinha 12 anos, parece que foi ontem, no momento que soube o meu mundo de criança desabou, lembro-me nitidamente de sentir o meu coração "descer" até aos pés e subir para a cabeça e voltar novamente ao lugar dele em apenas um segundo.

Como devem imaginar, na minha vida já sofri muito, tanto a nível físico como a nível psicológico, em parte, ou melhor, na maior parte devido a minha condição física, mas, posso afirmar que o dia mais triste da minha vida foi aquele em que a VIDA me levou um dos meus maiores pilares, a pessoa que melhor me conhecia, aquele que desejava hoje ter aqui ao meu lado.

Se as almas existem e conseguem ver toda a movimentação neste nosso mundo térreo, acredito que o meu avô Fernando está neste momento super orgulhoso da neta que ele tanto idolatrava, de todas as conquistas e pela mulher que me tornei, desde aquele último dia, eu tinha simplesmente 12 anos.

Tudo o que consegui e tudo o que me tornei acredito que a ele devo. Ele é um dos meus maiores anjos da guarda.

Karina Silva