sábado, 29 de novembro de 2008

ACREDITAR É SENTIR

Olhei para a Lua
Senti-me conquistada.
Quero que saibas que sou tua
Estou totalmente desgovernada.

O que sinto por ti é de verdade
Sei que é amor e também paixão
De ti não quero só amizade
Quero mais do que uma simples relação

Nunca me disseste claramente o que sentes
Será amizade ou amor?
Eu acredito no que pretendes
Ando a espera com muito fervor
Eu sei que bem me entendes
Acredito que também sentes amor
Vejo que é isso que sentes
Vou esquecer esta dor


Karina Silva

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

TU



O teu corpo perfeito
Os teus olhos pedras retiradas do fundo do mar
As tuas mãos no meu peito
Tens tudo o que me faz arrepiar

Sinto que quando olhas para mim
Sentes algo, eu não te fico indiferente
Queria-te para mim para sempre assim
Meigo, carinhoso, presente

Fica para toda a vida comigo
Nós os dois bem juntinhos
Eu quero partilha-la contigo
Preciso de muitos carinhos

KARINA SILVA

AS TUAS MÃOS

Toca-me, quero sentir uma carícia dada pelas tuas mãos, como pétalas da rosa vermelha que um dia me deste, deslizaste-a pelo meu rosto, quero que me toques desta vez com as tuas mãos, que as deslizes pelo meu corpo como se o meu corpo fosse ceda…
Quero que imagines o mar, pois eu sentirei as ondas a bater no meu corpo quando me tocares.
Vais sentir rebeldia dentro de mim, faz-me marcas na alma desse momento, quero lembrar na eternidade.
O fogo que arde por entre os poros do meu corpo não se quer apagar enquanto não deslizares pelos meus braços, quero-te sentir, quero-te ter, quero-te, nada mais vale dizer, tudo vai ficar dito quando com as tuas mãos únicas trespassarem do meu corpo até ao coração, nesse momento, quando as tuas mãos se encontraram com o amor que o meu coração nutre por ti, não, não mudes a posição das tuas mãos, espera, vê bem, vê realmente a verdadeira dimensão do amor que eu guardei aí, sim, aí mesmo, no coração, é aí que estás.
Vais saber tudo o que a minha alma quer, o que o meu coração sente, o que a minha pele deseja…
Custo-mo guardar o quero, o que sinto e o que desejo fechado a 1001 chaves para que nunca ninguém lá chegue, mas sei também que tu, sim tu, tu com as tuas mãos pousadas na minha pele vais conseguir abrir e descobrir num só segundo todos os meus anseios, todos os meus desejos mais íntimos.
O que me resta dizer… O meu intimo é só meu e de mais ninguém, mas quero que saibas que quando me entregar a ti, quando as nossas almas se cruzarem uma com a outra vais ver e descobrir que no meu intimo só existes tu, tu mais ninguém.
Espera, não tires as mãos do meu corpo, quero que as tuas mãos me façam carícias para sempre. As tuas mãos, és tu, tu és eu, nós somos um.
Sabias que eu sonho com as tuas mãos?
KARINA SILVA

terça-feira, 11 de novembro de 2008

AGORA SOU POETA. (sorrisos)


SENTIR

Os sonhos são lindos
Quando os conseguimos concretizar,
Quando não conseguimos á primeira
A vontade é chorar.

Quem ainda não sentiu está vontade?
Chorar é humano,
E por vezes mostra para além do que somos,
É o verdadeiro cair do pano.

Cada lágrima que cai de nós
É um carinho que bate no solo,
Como um grande abraço meigo da Mãe
Ou simplesmente o seu colo.

Nos momentos de tristeza ou dor
Quem não gosta de sentir o Amor,
O Amor da Família ou dos amigos,
Amor que nos faz sentir calor.

Calor humano,
Calor do Coração que faz arrepiar.
Quem não gosta?
Não vale a pena pedir, nem muito menos imaginar.

Tem que se sentir…
O AMOR.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

ISTO É QUE FOI LUTAR. (sorrisos)

O meu maior sonho sempre foi tirar a carta de condução.
Tinha os meus 15, 16 anos, nessa altura o sonho começou porque queria ser mais independente, visto que não podia fazer tudo o que as minhas colegas faziam.
Mas como em Portugal só se pode tirar a carta aos 18 anos, tive que aguardar por eles, como todos os outros jovens.
Como sou deficiente motor, tenho mais burocracia para tratar do que o normal, atestado multiusos, exame psicotécnico (que eu não fiz visto que me dispus a ir a Lisboa, Hospital de Alcoitão fazer o AUTONOMI) e depois do psicotécnico temos que marcar consulta na Delegada de Saúde da nossa área de residência para que nos seja passado o atestado para condução de veículo automóvel.
Depois de tudo isto, mais complicações apareceram, visto não haver escola com as adaptações que me tinham sido prescritas e assim passou cerca de um ano.
Depois de tanta dor de cabeça, lá me foi aconselhado a alterar as adaptações e foi isso que eu fiz, passado pouco tempo iniciei os estudos para tirar então a bem dita carta de condução, mais atrasos, depois de tanta luta, tinha que haver mais situações para me atrasar a carta de condução, a minha licença de aprendizagem não saía de Direcção Geral de Viação que agora tem outro nome, IMTT – Instituto de Mobilidade de Transportes Terrestres.
Acreditam que demorou mais de 6 meses a sair a minha licença?
Bem, a licença lá saiu e eu pude ir a exame, claro estava muito nervosa e acabei por reprovar, 5 respostas erradas, fiquei triste mas no mesmo dia disse ao Sr. Serafim, dono da Escola O Grande Prémio em Rio Tinto onde tirei a carta de condução para me marcar novo exame de código, não posso precisar quanto tempo demorou para ir novamente a exame, pouco mais de uma semana.
Fui a exame, também muito nervosa mas lá tentei fazer com mais calma e concentração, quando terminou os meus nervos voltaram a aparecer, demora sempre uns minutos entre terminarmos o exame e a dar-nos os resultados, quando a Engenheira me chamou eu lá fui, cheguei ao pé dela e ela disse que eu tinha passado, fiquei muito contente, pois tinha acabado de superar mais uma etapa do meu sonho.
Iniciei as aulas de condução e logo no primeiro dia de aula fiz 6 horas seguidas a conduzir em Rio Tinto, o meu Pai dizia que ia ser muito cansativo para mim, mas eu não achei nada, estava tão contente, estava fora de mim.
Lá fiz todas as minha aulas obrigatórias e nem mais uma, pedi para me ser marcado exame de Condução, estávamos mais o menos a meio do mês de Agosto, a escola entrou 2 semanas de Férias e eu tive que aguardar, ainda me faltava algumas aulas para terminar as obrigatórias, deixei algumas para ir no dia anterior e no próprio dia praticar para o Porto.
No dia do exame lá fui para Rio Tinto, depois fomos para o Porto (eu já a conduzir) e fiz as minhas ultimas 3 aulas, encontramo-nos com a minha Madrinha e o meu Primo e fomos almoçar os 4 (Eu, a D. Rosa instrutora, o meu primo Rafael e a minha Tia a “Triminda”).
Eu pouco almocei, os nervos começavam a chatear-me, depois lá fomos nós para a IMTT esperar pelo Engenheiro.
Fiquei sempre dentro do carro, e já tinha milhares de borboletas no meu estômago a bater as asinhas… (nervos, muitos nervos).
Quando o Eng. chegou, bem era a hora de iniciarmos o exame, continuava nervosa, mas tinha que estar o mais concentrada possível.
Lá fiz o exame, depois do meu exame terminar foi a vez de um jovem chinês que também está de parabéns porque fez um belíssimo exame.
Quando chegamos a IMTT o Eng. mandou o jovem estacionar e antes de sair da viatura disse:
- Estão os dois de parabéns, muito boa tarde e felicidades.
Logo depois saiu da viatura, só me deu tempo de dizer obrigado e igualmente.
O que posso dizer é que não existe palavras para descrever o que eu senti naquele momento.
Naquele momento, dia 10 de Setembro de 2008, tinha acabado de concretizar o meu maior sonho da minha vida.
A CARTA DE CONDUÇÃO.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

SENTIMENTOS

Durante a vida todos passamos por milhares de momentos com sentimentos variados que talvez vá do Ódio ao Amor.
Acho que nunca senti ódio por ninguém, quer dizer, minto, houve um momento da minha vida que sim, senti, embora não sei se me arrependo do que possa ter feito ou sentido nesse dito momento, neste momento tenho vergonha por lembrar que um dia tenha sentido o que senti, foi um momento que eu não merecia passar e que me marcou, tenho a certeza que da forma como ficou cravado no meu coração nunca mais de lá sai, não só pela situação em si mas também pelos intervenientes.
Queria esquecer, não consigo, mas posso dizer que neste momento desse momento já não sinto o mesmo, graças a DEUS, mas continuo a sentir magoa, desilusão e para sempre vou lembrar, mas ódio, não sinto e peso a DEUS que nunca mais o sinta por nada nem por ninguém.
Amizade, sim, é bom termos amigos e sabermos que temos sempre alguém para falar e também para dividir todos os momentos da nossa vida.
Carinho, também, é bom sentir-mos que somos acarinhados por alguém, é bom dar e receber.
Amor, a vários tipos de amor, amor pelos pais, pelos irmãos, pelos afilhados (no meu caso o meu lindo Lucas) e também amor pela pessoa que achamos que é a nossa alma gémea, nunca vivi um amor, mas sou uma eterna apaixonada, durante a juventude tive amores de criança, dois ou três, que me recordo, somos ingénuos com aquelas idades.
A já algum tempo, não vou dizer quanto, conheci um rapaz, não foi amor a primeira vista, mas quando o vi pela primeira vez, qualquer coisa mudou, ele era giro, simpático, alegre, divertido e aventureiro.
Claro, devem estar a pensar, está rapariga encontrou o homem perfeito ou está totalmente tapadinha, claro que ele não é o homem perfeito, tem os seus defeitos como todos nós, mas até hoje é o homem por quem eu estou apaixonada.
Não nos vemos com frequência mas o que senti por ele durante o tempo que convivemos diariamente continua exactamente igual, quer dizer, agora aumentou mais um sentimento ao que já havia, o de saudade de conviver com ele, só por este motivo gostava que o tempo voltasse atrás, mas como não volta, o remédio é deixar andar.
Há uma frase que eu acho que se adapta nesta situação, o que é nosso, a nossa mão vem ter, embora eu acho que não podemos estar parados a espera que tudo venha ter connosco, temos que lutar atrás dos nosso ideais, embora eu ache também que no amor não depende só de nós.
Com muita pena minha (sorrisos).
Sou uma rapariga um pouco insegura embora ache que neste momento estou muito melhor, por isso não me expresso das melhores formas e na maior parte das vezes sou mesmo incapaz de dizer o que sinto.
Nunca pedi nada em troca, quero dizer que nunca pedi em namoro nem nada parecido, talvez por medo da resposta que teria certeza que ia receber, mas mesmo não tendo dito exactamente o que sentia, percebi também que não era correspondido e aí também dei de mim a sentir que não devia de fazer qualquer tipo de sonho ou esperança.
Mas o sentimento por ele manteve-se e mantêm-se até hoje…
É VIDA.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

CADEIRA DE RODAS? SIM, TODOS OS DIAS.

Tenho em casa neste momento 3 amigas inseparáveis, as minhas amigas só andam comigo, elas são a minha companhia e eu a delas.
Nunca andamos as 3 juntas, só posso andar com uma de cada vez, mas gosto das 3 de igual forma.
Só lhes vejo virtudes…
São boas raparigas, passeiam comigo, nunca me deixam sozinha, para onde eu for uma delas vai comigo.
As 3 são mais novas do que eu, embora uma delas, a que está todos os dias ao pé de mim quando eu acordo, e que espera por mim sem reclamar enquanto todas as manhãs me preparo, deve ter mais de 13 anos…
A mais novinha mas não menos importante, é a mais bonita, quando andamos na rua as duas, ela não me deixa sentir cansada com os pisos deste nosso país cada vez mais desnivelados e esburacados, pois é bastante carinhosa no andar quando é ela que vai passear comigo.
Somos as duas lindas (sorrisos).
Os defeitos que se poderia encontrar nas minhas 3 amigas, realmente não são nenhuns, porque acho que os defeitos não são delas mas sim do que gira a nossa volta (barreiras arquitectónicas e outros…).
Gosto delas e já não me quero ver livre das mesmas.
As minhas 3 amigas, uma é manual e as outras duas são eléctricas.
Obrigado a quem inventou a muitos e muitos anos atrás as Cadeiras de Rodas.
EU NÃO CAMINHO MAS SEM ELAS NÃO ANDAVA.
PERCEBEM?
;-)